Negócios

Como montar uma clínica radiológica: saiba que aparelhos, profissionais e obrigação são necessários


A radiologia envolve uma diversidade de especialidades, o que torna essa área bastante atrativa para quem deseja investir nessa área.

Profissionais da medicina ou pessoas que desejam aproveitar as oportunidades geradas pela demanda da área radiológica para empreender têm um campo proveitoso para explorar – mas que ao mesmo tempo é complexo.

Se você está pensando como montar uma clínica radiológica, saiba que esta é uma área de grande potencial, que requer investimento alto, exige cumprimento de uma série de exigências de seguranças, mas que oferece muito retorno.

Afinal, diversas especialidades utilizam os serviços das clínicas radiológicas no dia a dia.

Mas afinal, quem pode abrir uma clínica radiológica?

Antes de avançarmos nos principais detalhes sobre como abrir uma clínica radiológica, é indispensável que o responsável pelo local tenha registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) ou no Conselho Regional de Odontologia (CRO).

O que não significa que apenas profissionais formados nestas especialidades podem abrir uma clínica radiológica. É necessário apenas que o estabelecimento tenha um profissional especialista responsável pelo local.

Tal exigência é feita como forma de garantir mais segurança e atestar que o responsável tem a capacidade e o conhecimento técnico necessário para prestar o serviço na área da saúde.

Um detalhe que se torna ainda mais importante considerando que o estabelecimento vai utilizar radiação na realização de exames, um componente muito perigoso quando não administrado da maneira correta.

Dessa forma, o registro do profissional responsável também facilita a fiscalização. E em caso de irregularidades, o rastreamento dos órgãos públicos responsáveis.

Quais são os tipos de usos de radiologia nas clínicas?

Como montar uma clínica odontológica

As clínicas radiológicas são estabelecimentos que podem utilizar a radiologia em três diferentes áreas: odontologia, em exames de imagem e na radiologia médica.

Nesse contexto, as clínicas radiológicas não tem como foco a realização de consultas, mas sim a realização de exames de diagnóstico por imagem, como:

  • Raio-x
  • Mamografia
  • Tomografia
  • Ultrassom
  • Ressonância magnética
  • Densitometria óssea
  • Medicina nuclear
  • Entre outros

No dia a dia, as clínicas radiológicas podem fazer parceria com convênios médicos, prestar serviço para o SUS (Sistema Único de Saúde) e atender na rede particular.

Apesar dos centros de diagnóstico por imagem serem a maioria no setor, as clínicas radiológicas ainda podem realizar procedimentos com fins terapêuticos, considerados minimamente invasivos.

É o caso das biópsias. Um procedimento que consiste na coleta de uma pequena parte de um tecido, a fim de realizar a análise e recomendar tratamento adequado quando necessário.

É relevante saber que há um bom motivo para que a oferta de procedimentos não invasivos seja maior: eles exigem uma estrutura menor e mais simples, pois os riscos de complicações também são menores.

Normas e obrigatoriedades para montar uma clínica radiológica

Por utilizar a radiação para fins diagnósticos e terapêuticos, as clínicas radiológicas precisam seguir uma série de obrigações que visam eliminar riscos e garantir a segurança dos profissionais e pacientes no local.

Nesse contexto, também é necessário garantir a segurança da vizinhança e da região. Você sabia?

A legislação traz exigências que visam reduzir as exposições à radiação ionizante e que por este motivo devem estar presentes desde a construção ou reforma do espaço que vai receber a clínica.

Entre as demandas necessárias estão a blindagem de paredes, portas, piso e teto.

Todos os detalhes relacionados ao planejamento e avaliação de projetos físicos, bem como especificações relativas à construção e reformas estão presentes na RDC nº 50/2012 da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Na questão de regulamentação técnica, é possível encontrar as diretrizes de proteção radiológica em clínicas de radiodiagnóstico médico e odontológico na Portaria 453/98 do Ministério da Saúde.

Outro detalhe importante é que a localização da clínica radiológica deve ser aprovada pela Prefeitura e pelas autoridades sanitárias locais.

Devido ao fato que no local haverá a emissão de doses de radiação ionizante, o mesmo precisa estar devidamente isolado e controlado. 

E mesmo com todo o controle necessário, ainda é possível a ocorrência de imprevistos, o que exige que as clínicas sejam instaladas perto de um hospital.

Profissionais necessários para o funcionamento da clínica radiológica

Além do especialista responsável pela clínica radiológica, é necessário contratar também um médico radiologista que ficará responsável pela área técnica.

Conforme previsto no Conselho Federal de Medicina, as radiografias simples, que não utilizam contraste, podem ser realizadas por técnicos em radiologia.

Entre os profissionais de saúde, especialistas ou técnicos, será necessário delegar um supervisor de proteção radiológica de diagnóstico, que ficará responsável pelas atividades de proteção.

Outros profissionais importantes para o funcionamento da clínica radiológica são: recepcionista, profissional responsável pelo agendamento de exames e um responsável pela limpeza.

Lista de equipamentos necessários para montar uma clínica radiológica

Abaixo listamos os aparelhos mais comuns nas clínicas radiológicas, sendo que todos os itens precisam ter registro na Anvisa.

  • Equipamento de raio-X
  • Bidros para raio-X
  • Aventais de chumbo, óculos e demais equipamentos de proteção individual para os profissionais da clínica
  • Portas e biombos de chumbo
  • Chassis radiológicos
  • Sinaleiros luminosos
  • Tomógrafo
  • Mamógrafo digital ou convencional
  • Aparelho de ressonância magnética
  • Luz vermelha para câmara escura
  • Exaustor para câmara escura
  • Venezianas para câmara escura

Bônus: como montar uma clínica radiológica sem falhas

Analise o mercado

Antes de buscar aparelhos, fornecedores e profissionais, o primeiro passo para montar uma clínica radiológica é conhecer o mercado e a região onde a clínica radiológica será instalada.

Além de verificar os estabelecimentos de saúde da cidade e a região, também é preciso conhecer os concorrentes e os preços praticados por eles. 

Fique por dentro da demanda e tenha certeza que vale a pena investir nesse negócio na localidade em que você está.

Faça o controle financeiro

O alto investimento em equipamentos e estruturas deve ser acompanhado e controlado desde o início, por isso, é fundamental registrar tudo.

A clínica também vai exigir um valor considerável de fluxo de caixa, sendo importante ter controle sobre o dinheiro que entra e o que sai do estabelecimento.

Invista em parcerias estratégicas

Apesar de ser possível projetar e fazer a gestão de uma clínica radiológica de maneira individual, será mais fácil conquistar resultados positivos se você tiver parcerias estratégicas.

Por exemplo, caso você não seja um especialista da área, um profissional com CRM ou CRO pode integrar o quadro de sociedade da sua clínica, tornando mais fácil e objetivo os processos que envolvem questões técnicas.

Nessa hora, o conhecimento que ele já possui pode ser um atalho.

Outra parceria estratégica é com os sistemas de telerradiologia. Eles vão permitir que a sua clínica radiológica faça a emissão de laudos à distância, o que elimina, logo de cara, a necessidade de ter um ou mais médicos presentes durante horas na clínica.

Nas plataformas de telerradiologia, em vez de pagar pela hora dos médicos cadastrados, você pagará somente por laudo emitido e poderá contar com profissionais 24h, durante 7 dias na semana.

Uma disponibilidade que aumenta a capacidade de atendimento da clínica, ao mesmo tempo que reduz os custos com equipe local.


Agora que você entendeu como montar uma clínica radiológica, é hora de analisar todos os desafios e necessidades relacionadas a esta área.

As clínicas radiológicas são estabelecimentos requeridos por várias especialidades médicas, para o diagnóstico das mais variadas doenças. Um fato que ganhou o apoio da telemedicina e dos sistemas que possibilitam que as imagens sejam analisadas à distância.

Investir numa boa estrutura será fundamental para oferecer imagens de qualidade em um ambiente seguro.

E no atual cenário, investir em tecnologia para trabalhar com o compartilhamento e armazenamento de imagens de alta qualidade na nuvem será determinante para que a sua clínica radiológica já nasça atendendo às principais necessidades da atualidade e do futuro da medicina.

Negócios
O que significa a sigla RDC 50 e por quê ela é tão importante para as clínicas médicas
Negócios
Entenda o que é tabela TUSS e a importância dela para as instituições de saúde
Negócios
RDC 16/2013: entenda os tópicos mais importantes e para quais instituições ela é indispensável