Radiologia

O que faz a ressonância magnética, para que é utilizada e como preparar o paciente para o exame


As imagens de raio-x transformaram a medicina e o tratamento de diversas doenças. Graças aos diagnósticos mais precisos, os tratamentos têm sido realizados com maior assertividade, proporcionando a melhora mais rápida e a cura dos pacientes.

Quando se fala em diagnóstico por imagem, a ressonância magnética aparece como um método altamente eficiente para diferenciar as características dos tecidos biológicos de todas as partes do corpo humano.

Trata-se de uma área da radiologia de grande complexidade, mas que promove grandes benefícios para a saúde dos pacientes.

Neste artigo, falamos sobre todos os usos da ressonância magnética, como se dá sua aplicação, as contra indicações e como o paciente deve agir antes e durante a realização de uma exame.

Acompanhe!

O que é ressonância magnética e para que serve?

A ressonância magnética é um método que utiliza sinais de radiofrequência para captar imagens dos tecidos do corpo humano. Na prática, o equipamento cria um campo magnético que funciona como um imã atraindo as moléculas de hidrogênio do corpo.

As moléculas de hidrogênio ficam alinhadas a este campo magnético gerado pelo aparelho. De forma resumida, a imagem gerada é uma exibição dos sinais de radiofrequência que foram emitidos, captados no processo e interpretados pelo computador.

O que a ressonância magnética detecta?

O exame de ressonância magnética detecta várias doenças em todas as partes do corpo humano como articulações, vasos sanguíneos, tórax, crânio, região cervical, medula espinhal, coração e abdome.

O exame é considerado indolor, não invasivo e gera imagens em 2D e 3D de alta definição. Por ser considerado um exame capaz de entregar imagens detalhadas dos tecidos, ele é indicado para identificar problemas como:

  • Rastreamento de câncer, tumores, cistos e anomalias.
  • Identificação de lesões e anormalidades nos ombros, joelhos, coluna e articulações.
  • Diagnóstico de doenças neurológicas.
  • Identificação de doenças na medula espinhal.
  • Diagnóstico de doenças cardíacas, do fígado, pâncreas e órgãos abdominais.
  • Avaliação para identificar endometriose e miomas em mulheres.
  • Para observar alterações como coágulos ou aneurismas nos vasos sanguíneos.

Além disso, o exame de ressonância magnética pode ser solicitado por médicos neurologistas para analisar com precisão quadros como esclerose múltipla, Alzheimer, tumores no cérebro, lesões e atrofias nos vasos sanguíneos que podem indicar AVC (acidente vascular cerebral).

Os médicos ortopedistas também utilizam a ressonância para diagnosticar lesões de ligamento, tendinite, hérnias e cistos.

Entenda como funciona a ressonância magnética

A realização do exame de ressonância magnética é feita a partir de uma máquina que provoca a agitação das moléculas do nosso corpo. 

O aparelho é composto por um imã principal, bobinas de radiofrequência e bobinas de gradiente, o sistema receptor de imagem e o computador.

Enquanto o campo magnético provoca essa movimentação através do imã principal, as imagens são captadas pelo aparelho e transferidas para o computador.

Em média, o tempo de duração do exame é de 15 a 45 minutos, sendo que em alguns casos, dependendo da área examinada, o tempo pode chegar a 2 horas de duração.

O que é ressonância magnética nuclear

A ressonância magnética nuclear registra as imagens através de cortes nas estruturas corporais de forma semelhante a tomografia computadorizada, mas com mais detalhes e maior nitidez.

O que é ressonância magnética com contraste

A ressonância magnética com contraste utiliza uma substância chamada gadolínio, popularmente conhecida como contraste, que é injetada de maneira intravenosa a fim de melhorar o diagnóstico de doenças como tumores e inflamações.

Em alguns casos, o diagnóstico não pode ser realizado de forma precisa sem uso de contraste.

Ressonância magnética com sedação

Apesar de desconfortável para muitas pessoas devido a necessidade de permanecer imóvel por um longo período em um tubo que aparenta ser estreito, a ressonância magnética não causa dor.

Por outro lado, existem pessoas que necessitam de alternativas para permanecer com a parte do corpo completamente imóvel, seja por terem claustrofobia ou por ficarem ansiosas nessas situações. 

Nesses casos o método utilizado para que o exame seja realizado não é a sedação, mas a anestesia geral.

Durante a sedação, os pacientes podem acabar se movendo mesmo dormindo. A respiração é mantida na mesma intensidade e o tórax continuaria se movendo, o que pode prejudicar a imagem dependendo da área a ser examinada.

Diante disso, a sedação não é indicada e a anestesia geral é utilizada na grande maioria dos casos que necessitam de uma alternativa capaz de manter o paciente imóvel. 

Nos casos em que as pessoas se sentem apenas ansiosas, um tranquilizante prescrito pelo médico pode ser suficiente.

Quando necessário a anestesia geral, o procedimento é acompanhado pelo anestesista. O paciente fica conectado ao aparelho de anestesia e um ventilador mecânico é utilizado para fazer a função da respiração – o que permite que o médico tenha acesso à boca e face do paciente, fato que não é possível na sedação.

Ao fim do exame, o paciente acorda suavemente após os anestésicos serem interrompidos. O médico continua acompanhando pressão arterial e monitorando o paciente enquanto o mesmo se recupera na sala de recuperação até receber alta.

Como se preparar para o exame de ressonância magnética

A preparação do exame de ressonância magnética é considerada simples. Veja os protocolos necessários:

  • O paciente deve retirar todos os acessórios e objetos metálicos, como brincos, piercings e anéis.
  • O paciente deve estar utilizando roupas leves. Em algumas clínicas, pode ser solicitado que ele vista a roupa hospitalar disponibilizada pelo local.
  • Durante o exame, fones de ouvido e tampões podem ser oferecidos ao paciente para bloquear o barulho produzido pelo aparelho de ressonância.
  • No caso do paciente possuir dispositivos metálicos como clipes metálicos para tratamento de aneurisma cerebral ou implantes cocleares, a ressonância é contraindicada.
  • Há também situações no caso de fragmentos de balas de arma de fogo que ficam alojadas no paciente que podem impossibilitar a realização do exame.

O que comer antes da ressonância magnética?

Dependendo da área a ser analisada, como região pélvica ou abdominal, pode ser necessário que o paciente faça jejum de 4 horas antes da realização. 

Mas no geral, o jejum é orientado pelo médico especialista de acordo com o caso.

Quando se trata do exame de ressonância magnético com anestesia, o jejum de 8 horas é indispensável porque se houver alimentos no estômago, há risco do conteúdo gástrico subir para os pulmões.

Ressonância magnética para obesos

A realização de exames de ressonância magnética já foi um problema para pessoas obesas. No entanto, a evolução dos aparelhos tem garantido que pessoas obesas não passem por situações de desconforto e possam ser atendidas sem prejuízos.

O equipamento tradicional de ressonância magnética – o tubo cujo uma esteira desliza o paciente para dentro do aparelho – comporta no geral pessoas até 120kg. 

O canal considerado estreito gerava bastante desconforto tanto em pessoas obesas, quanto nos pacientes.

Nesse contexto, o equipamento de ressonância magnética de campo aberto tem se tornado uma solução popular, pois possui uma estrutura com um disco horizontal, aberto nas laterais e suporta até 200kg ou 240kg, dependendo do aparelho.

Ressonância magnética de campo aberto

Nas clínicas que estão utilizando o aparelho de ressonância magnética de campo aberto, o benefício também aparece na redução do número de pessoas que necessitam de anestesia ou tranquilizantes, já que o aparelho permite observar o entorno.

Tatuagem e ressonância magnética: mito ou verdade

Pacientes que possuem tatuagem devem passar por uma avaliação antes de realizar o exame de ressonância. Isso ocorre porque algumas tintas contêm ferro, o que é contraindicado.

Da mesma maneira, é proibido o uso de maquiagem, spray de cabelo e demais cosméticos que podem conter ferro na composição.

Porque ressonância magnética faz barulho

Os barulhos do aparelho de ressonância magnética ocorrem devido às bobinas de gradiente, um dos 5 itens citados acima que fazem parte da composição da máquina de ressonância magnética.

 O barulho é gerado quando aumenta a corrente elétrica nos fios dos magnetos gradientes. Dessa forma, dependendo da área e da sequência de imagens a serem geradas, pode gerar um barulho diferente.

É por isso que tampões ou fones de ouvido são entregues aos pacientes e acompanhantes a fim de abafar os barulhos que podem ser bem altos.

Máquinas mais recentes já estão contando com uma tecnologia silenciosa, criada para reduzir esse barulho.

Quem inventou a ressonância magnética?

Confira essa linha do tempo para entender como chegamos ao aparelho que existe hoje:

  • 1882 – Nikola Tesla descreveu o campo magnético rotativo pela primeira vez, dando início ao avanço tecnológico e à pesquisa dos próximos autores.
  • 1937 – O professor de física da Universidade de Columbia, Isidor Rabi, desenvolve o método para medir os movimentos dos núcleos atômicos e recebe o Nobel de Física por isso em 1944.
  • 1946 – Felix Bloch e Edward Mills Purcell desenvolvem o primeiro método envolvendo ressonância magnética em matéria condensada. Os dois também receberam o Nobel de Física, em 1952.
  • Na década de 1960, o médico Raymond Damadian deu início a pesquisa para detectar tecidos cancerígenos através de scanners utilizando ondas de rádio que mediam as emissões de átomos de hidrogênio local.
  • Com base nas pesquisas de Raymond, na década de 1970, os autores Paul Lauterbur e Peter Mansfield utilizaram a ressonância magnética para produzir imagens do corpo humano.

A especialidade é mais uma entre tantas áreas da radiologia que já estão se beneficiando da telemedicina para armazenar, compartilhar, diagnosticar e emitir laudos à distância, encurtando o tempo de espera do paciente para obter um diagnóstico depois da realização do exame.

Além de oferecer imagens com alta nitidez e ricas em detalhes, a ressonância magnética é segura e indolor para os pacientes, e uma tecnologia responsável pela evolução nos tratamentos e diagnósticos promovidos na medicina radiológica.

Se o seu o seu centro de imagem ainda não utiliza os benefícios da telerradiologia na realização de exames de ressonância magnética, está na hora de conhecer os avanços promovidos pela tecnologia nesta área!

Clique aqui e conheça a solução da Rdicom.

Radiologia
Os 5 melhores livros de radiologia e quais são indicados para cada profissional de saúde
Radiologia
Tudo que você precisa saber sobre radiologia odontológica para ser um profissional da área
Radiologia
Tudo que você precisa saber sobre os aparelhos de mamografia